terça-feira, 16 de março de 2010

Uma questão de ótica

Frases inteiras percorrem a mente, cavalgando em direções opostas sem que consiga apreender seus significados. Tudo está calmo no dentro, o turbilhão tenta encontrar passagem, uma brecha, uma maneira de entrar. Não há espaços, ao menos não o pretendo dar. As lutas que me obrigo a travar são aparentemente desnecessárias e utópicas, mas apenas para olhares superficiais. A vida está repleta deles e quando busco a profundidade esbarro sempre no eterno vazio. As ausências das construções e de entendimento. Mudo o foco, alterando as rotas traçadas... por fim, vislumbro o que precisava.

4 comentários:

Marcia Souza disse...

É isso... avance e recue no tempo, vá além dele e sempre mude a maneira de olhar... Tudo muda de lugar, não é mesmo?

Morrendo de saudades dessa Feitiçeira.

Bjs

Lara Moncay disse...

Ô se muda!
Saudades também!

Galáxia de meus anseios disse...

Isto me faz lembrar uma música: "Olhos nos olhos, quero ver o que você diz, ao ver-me tão feliz...ando até remoçando, me vejo cantando bem mais e melhor..."rsrsrsr!!! Saudades!Mil beijos! Continue, feche as frestas, portas e janelas, só deixe entrar o sol, teu fiel companheiro!!!

Lara Moncay disse...

Podexá!